Wednesday, February 21, 2007

... do ser ...




« Não nos banhamos duas vezes na água do mesmo rio ! ... o que Sabina via correr era sempre era sempre outro rio, outro rio semântico: o mesmo objecto suscitava sempre outra significação, mas nessa significação repercutiam-se ( como um eco, como um cortejo de ecos) todas as significações anteriores. »
Kundera in A Insustentável Leveza do Ser

2 comments:

chuvamiuda said...

..............

a água do rio renova-se

pena o nosso ser, não se renovar com a mesma vontade

.............

Beijo e noite serena

Luís said...

Um texto para pensar.
Uma foto para sentir.
Gostei.